domingo, 14 de dezembro de 2008

Direitos Humanos e a e-cidadania

Na próxima aula discutiremos a relação entre os Direitos Humanos, os movimentos sociais e a grande rede.

A Internet pode ser um espaço de mobilização social? De apoio aos Direitos Humanos? Pode ser vista como um espaço democrático?

E na educação: pode democratizar o espaço escolar? Tornar público o dia a dia de uma escola? Tensionar relações de poder?

Vamos pensar nesse tema para o nosso próximo encontro. Procurem informações!

33 comentários:

MARCOS A. C. PIMENTEL disse...

Não só pod como já o é. Dentre os casos cito o da jovem ...Pimentel assasinada pelo namorado dentro de um apartamento depois de torná-la refém por vários dias juntamente com uma amiga. O que se viu no seu orkut foram mensagens de solidariedade e pesar pela sua morte. Entre outros tantos casos.
No blog gostodepedagogia.blogspot.com expresso a necessidade de mais dinamismo nas aulas usando para isso a mídia em geral. visite e veja o que penso a respeito.

Anônimo disse...

olá, pessoal, eu acho que a internet, com todas as contradições existentes, pode sim ser um facilitador para a relação entre direitos humanos e educação para o reconhecimento e valorização deles. o profesor de hoje deve ser bastante criativo para encontrar variadas formas de apresentar e discutir esses assuntos com seus alunos. em relação a isso, encontrei um site muito interessante que pode servir de auxílio: http://www.safernet.org.br/site/prevencao/pesquisas
Acessem que gostarão! LILIANE V. B. MARINS.

kelly russo disse...

Obrigada, Liliane. Vou entrar lá pra gente conversar sobre ele na próxima aula!

Regina de Deus disse...

Lili, muito interessante o site
que voce indicou. Tem muitos esclarecimentos quanto ao uso da internet por crinças e adolescentes.
Mostra que tem muita gente de olho no que se passa na grande rede.
Obrigada.

Shyrlei disse...

Seria muito interessante se tivessemos a oportunidade de saber mais do que significa Direitos Humanos, de como se deu esse processo, seu hsitorico.Falo isso, por entender que o debate em sala pode ser mais rico e possibilitar que algusn se aproiem do tema, pois muitos fazem confusão sobre este tema.Uns até falam que Direitos Humanos foi feito para pobre e pior para defender bandido. Mas direitos humanos vai para além disso.

Eu de fato fico proculpda, se a intrenet pode ser um espaço de mobilização, pois apesar da sua tamnhã riquesa em fazer as informações rolarem, de ter tamanha riquesa de trabalhos, livros e etc..disponivél, de verdade não substitui o debate ao vivo.Ela pode ser sim um mecanismo de chamar as pessoas para mobilizaçã,mas de fato as mobilizações só são possivéis quando as pessoa se encontram, sejam na rua, nas praças e em qulque outro lugar. A presença de cada ser humano, inibe em determinados momentos, alguns tipos de ações.Estar junto debatendo em coletivos, olhando as pessoas, percebendo o dicuros e prática do outro e até a sua mesma e muito rico e infelizmente a internet não pode nos oferecer.

Definitivamente acho que não vivemos em um país democrático, na sua plenitude, estamos muito longe de experimentar democracia.É verdade que temos o sentimento de sermos democráticos e de viver a proposta de um país democrático, ainda mais quando nos falam do tempos da ditadura.Achamos que só pelo fato de ter acesso a escola, de ter direito ao voto, de "direito de falar' vivemos em um país democrático.
Logo eu pergunto; quem tem o direito a fala? Que tipo de fala é ouvida por determinados mecanismo, ou melhor pelo Estado? E por falar nisso o debate de Direitos humanos na sua concepção está muito "casado" com a proposta de um país democrático.

Agora se a internet pode tornar as escola domocrática, acredito que não, pois o que tornaria uma escola democrátiaca e a possibilidade de construir a escola com seus sujeitos, sujeitos que experimentam a escola, como alunos, responsáveis, diretores, merenderas, educadores e principalmente a comunidade que a cerca, pois cada escola tem uma demanda.Entendo por escola democrática uma escola que contribui para o prcesso de formação de sujeitos, que possam se capazes de lê a sua realidade e interferir na mesma. A nossa escola brasileira não é de fato uma escola democrática. Se ela pode tornar pública o dia a dia na escola? Acho que sim, mas normalmente este espaço será mais um espaço de denuncia do que de construção, de proposição.Agora eu pergunto, tornar pública para quem? Pois será que as pessoas desconhecem a realidade diária dos alunos e professores?
Devemos todos sim, entender o que faz ser o dia a dia da escola ser do jeito que é, para assim poder agir.Tenho receio que começemos a jogar pedras em nos mesmos e de nos tornar mais desunidos do que já somos, de ser contraladores de nos mesmo ao invés de controlar, interferir e propor em um modelo de politica pública para a educação, em um model de Estado, que pensa e realiza a escola para formar mão de obra para o mercado, apenas para o mercado. Nesse sentido respondo a pergunta que sucede. Se tal farramenta pode tensionar as relações de poder? Acho que não.Pois vejamos.O atual prefito do Rio de janeiro, Cesar Mais tinha ou tem ainda um bolg, sendo este um dos blogs mais acessados, e de fato em quase oito anos de mandato em que momento ouvimos falar que tal mecanismo tenha causado tensam em seu mandato?

Por fim, no meu entendimento, a internet funciona como um otímo mecanismo que faz as informações rolarem em um tempo quase real, temos acesso a muita coisa boa uqe cintribui para a dinâmica do nosso dia a dia, da nossa formação, mas é isso contribui, não substitui a nossa presença em determinados lugares para assim construit um pais democrático e fazer os Direito Humanos funcionar.

Indico um texto sobre Direitos Humanos que se encontra no site: http://www.riodemocracia.org.br/riodemocracia/site/acervo/artigo.php?id_content=56

Kelly Russo disse...

Maravilha, Shyrlei! MUITO OBRIGADA por compartilhar conosco suas reflexões!
Em nossa próxima aula iremos, justamente, conhecer um pouco sobre o que se chama "Direitos Humanos", como surgiu, suas diferentes etapas de desenvolvimento e suas implicações na educação.
Vocês sabiam que existe um movimento nacional de Educadores em Direitos Humanos?
Também iremos conhecer alguns exemplos de uso da comunicação on line na organização de grandes mobilizações de massa...
Teremos muito o que conversar!

Kelly Russo disse...

Liliane, acabo de abrir o link que você enviou. Muito bom o seu achado! Vamos levar para turma e conhecer suas possibilidades de uso e segurança na rede. Obrigada! Alguém mais achou algo interessante?

Priscilla Guilles disse...

Olá!!!!
Na década de 90 houve uma ênfase nos desafios dos direitos humanos no ambiente digital, principalmente no que diz rspeito a proteção de privacidade e a liberdade de expressão.

Creio que a internet pode e deve ser um grande agente de apoio aos direitos humanos entrelaçado na educação, pela sua velocidade na comunicação.

A escola criando novas práticas sociais, de cooperação, tolerância, respeito a dignidade de cada um, estará contuindo junto com todos os sujeitos escolares uma sociedade melhor.

"Educação em Direitos Humanos é,antes de tudo, educar-nos a nós mesmos", dizia Paulo Freire, sejam ou não professores, jovens ou velhos.

RAPHAEL F° DIAS DE MELO VIEIRA disse...

COM CERTEZA O ORJUT É UM ESPAÇO ONDE A LIBERDADE DE EXPRESSÃO É UM PONTO FORTE, ONDE NÃO HÁ PRÉ-CONCEITOS, MAIS CABE UM CERTO BM SENSO PARA NÃO SER EXPLICITADAS COMO APOLOGIAS A BRIGAS, DROGAS E ETC...

Andrea C. disse...

Andrea C.
Será realmente que as escolas querem que seus cotidianos sejam espostos? Num ambiente onde eu não vejo estes profissionais (não todos)desenvolver com seus alunos uma simples oficina de leitura, pois "da muito trabalho", como posso esperar ver o uso da internet pelos mesmos?ou enventariam empecilhos para não ter que participar ou simples mente pediriam um professor expessifico para esta aula de modo que a responsabilidade fosse desviada para outra pessoa.

Danda Rocker disse...

Tanto na vida escolar, como no cotidiano de todos, a internet só veio para corroborar com o desenvolvimento, socialização e interação de indivíduos de todas as partes do mundo. Mesmo em sites de relacionamento como o Orkut, percebemos uma vasta criação de comunidades sob uma imensidão de temas, demonstrando e fazendo-nos crer que há liberdade de expressão e ali todos os seus membros podem dizer o que pensam, desde que haja um mínimo de respeito e clareza em suas palavras.
Aproveito para ressaltar não somente a relevância dos Direitos Humanos questionada neste tópico, como também, outros direitos, como os dos animais não-humanos. Possuo uma comunidade no orkut, chamada "Animais Racionais" e, se alguém se interessar, pode entrar e ficar à vontade para dar a sua opinião.

Sandra Christina.

Anônimo disse...

ciberativismo é poder divulgar em rede de internet uma idéia ,mobilizando várias outras pessoas com a mesma afinidade.

Milena disse...

Em pról do zelo da idéia central dos Direitos Humanos, a internet tem colaborado como forma de denúncia e espaço de manifestação. Um exemplo de tal uso virtual vem a ser o ciberativismo, que vem a ser um local ( site, blog, etc..) que funciona como espaço coletivo de discussões visando um bem em comum( uma causa, uma ideologia, um movimento..). Para mim, o ciberativismo vem a ser a confirmação da idéia da internet como ferramenta capaz de transformar e revolucionar a sociedade. Por vezes, as discussões que iniciam virtualmente ganham força e transpassam a tela do computador e a virtualidade, ganhando adeptos, militantes, e multiplicadores reais; multiplicadores estes que geram ações também reais capazes de nos conduzir, em geral, a uma luta em defesa de uma sociedade melhor.

Anônimo disse...

Ciberativismo é divulgar em rede de internet uma idéia , mobilizando pessoas que compartilham da mesma pinião...
Ass:Nelceli

Andressa Freitas disse...

Em relação ao Ciberativismo, é um movimento mt interessante, que possibilita pessoas físicas tornarem-se mais participativas na política.
É a possibilidade de se reunir, problematizar e combinar determinadas ações relacionadas a insatisfações políticas de uma determinada região.

Kelly Russo disse...

Oi, Raphael. Obrigada por participar, mas lembre-se que o debate agora não é mais o orkut especificamente, mas a relação entre internet e direitos humanos.
A internet pode ser um espaço para a difusão da Declaração Universal dos Direitos Humanos? É importante essa difusão? Pode ser um espaço de mobilização? E se for um espaço de mobilização, tem efeito se fica apenas no espaço virtual?

Kelly Russo disse...

Shirley, e agora depois da aula, qual é a sua opinião: existem possibilidades de transformação a partir do ciberativismo? Existem limitações, claro, mas como qualquer espaço social, estão presentes as tensões.
Sobre o Cesar Maia e seu blog: claro que o blog dele não iria tensionar o seu próprio governo, mas e se nós tivéssmos criado uma fonte alternativa de comunicação que tornasse visível os desmandos e desvios de verba pública de seu governo, será que tensionaria?

Kelly Russo disse...

Mais uma pergunta pro povo que quer participar do debate:

Seria possível um ciberativismo para a melhoria da qualidade educativa? Sabemos quanto o governo municipal, estadual e federal gasta com a educação?

Qual é a nossa participação para mudar essa realidade cruel?

eliane disse...

eliane disse...
O objetivo é ajudar os indígenas a não perderem suas terras,assinando um abaixo-assinado e divulgando o mesmo em prol da dermacação das terras de Tremembé e Tapeba, no Ceará.E conscientizando as pessoas da necessidade de se fazer algo para ajudar na concretização da dermacação das terras que pertencem aos indígenas.

18 de Dezembro de 2008 07:08

Silvia.Rocha disse...

Com certesa a internet pode ser um espaço de mobilização, não só pode mas DEVE ser. Nos nossos dias é um dos meios de comunicação mais rápido que temos. Através da internet podemos fazer divulgação e atingir a vários tipos de pessoas, de várias classes sociais, em lugares diferentes e distantes.
Creio sim que um ciberativismo posa ajudar, o greenpeace é um exemplo nessa questão, ao entrar no site dessa organização existe um espaço só para o ciberativismo. E eles já conquistaram muitas coisas devido a isso. Mas óbvio não eve ser a unica forma de luta. A nossa presença é fundamental, podemos até organizar um movimento pela internet, agir pela internet, mas como a Shirlei disse: "de fato as mobilizações só são possivéis quando as pessoa se encontram".

Flavia disse...

Gostei bastante dos comentários da Shirley e compartilho com suas idéias,reforço que acredito que a internet por sua grande expressão, enquanto meio de comunicação, é lugar para que conheçamos e reflitamos sobre os Direitos Humanos, já que o pouco que conhecemos de tal documento, não é respeitado em nosso país. Ao nos apropriarmos mais do assunto, poderemos nos mobilizar.Passar a frente esse conhecimento já um começo.

Camila disse...

É Shirley, o seu comentário é intrigante e extremamente questionador. É preciso em um primeiro momento descontruir a idéia que temos de Direitos Humanos e começar a entender as bases nas quais este conceito se fundamenta. É possível compreender que em uma sociedade de classes nada é como se apresenta, pois existem ideologias que são reproduzidas para que haja a exploração e a dominação. Shirley, quando você falou de democracia, me pus a pensar no real significado desta palavra que é tão falada principalmente em momentos eleitorais. Dizem que DEMOCRACIA é o direito de escolher, e que quando vamos as urnas estamos exercendo a nossa democracia. Conversa fiada!!! E ainda dizem que temos o direito falar, quando na realidade somos silenciados a todo instante quando chegamos em nossas salas de aulas e temos a nossa cultura negada, ou melhor nem se quer se reconhece o que produzimos em nossas comunidades como cultura. Nos silenciam quando nos dão uma educação bancária, onde o único objetivo é nos manter ignorantes em relação a nossa própria realidade. É curioso notar que o primeiro artigo dos direitos humanos nos diz que todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos, meu Deus do céu que contradição !!! Não somos iguais coisíssima nenhuma,e menos ainda temos os mesmo direitos... por hj é só.. depois falo mais... falta inspiração.

Shyrlei Rosendo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Shyrlei Rosendo disse...

Querida Companheira Camila, devemos mesmo desconstruir a ideía que temos de Direitos Humanos e melhor entender que é muito trister ter no Brasil e nos países onde reina o projeto neoliberal, ter Direitos Humanos.Por que será que tivemos que criar um mecanismo como esse, por que não se deixa as pessoas com suas peculiaridades, reflexivas, de cultura e de gênero em paz? Espero que um dia na vida o projeto de Direitos Humanos seja empacotato, arquivado como um projeto que conseguir atingir seu objetivo.Espero que um dia todos possam experimentar um mundo sem desigualdade.

Veja a contradição, enquanto faço esse comentário, vem o Caveirão e acaba com o meu simples direito de me consentrar e continuar refletindo sobre as questões que foram colocadas.
É, muita coisa precisa mudar, espero que um dia as pessoas daqui possam sair na rua, sem medo do caveirão, que nada mais é que um instrumento do Estado para reprimir o povo, e veja a contradição, quem me vigia e não me permiti continuar com a minha reflexão é os meus companheiros de classe social, os capatases comtemporêneos.

Kelly Russo disse...

Acho que foi o Eduardo Galeano que disse essa frase: "A utopia é o nosso horizonte, nunca chegaremos nele, mas ele nos indica em que direção devemos caminhar...".

A discussão sobre os Direitos Humanos está intimamente relacionado com a discussão sobre cidadania, sobre participação social, sobre democracia...

O nível do debate está muito bom e ficará ainda melhor em nossa próxima aula: como trabalhar com essa temática na sala de aula? Como trazer a preocupação sobre os Direitos Humanos, sobre a participação cidadã para a sala de aula? Como vivenciar de fato, uma relação que priorize estes valores?

Shyrlei Rosendo disse...

Cara, professora.
Só agora percebi a sua pergunta.

Eu tenho uma certa limitação, qundo se fala da intenet como espaço para transformação.Acredito que mobiliza, que é uma otíma ferramenta para manter as pessoas informadas, mas ainda tenho dúvidas.
Parece-me que essa é, ás vezes, uma boa medida para que as pessoas não tomem para si, algumas responsabilidade.

Acredito que devemos se apropriar dessa ferramaneta-intenet,computação- e utilizá-la da melhor forma a nosso favor.

Por fim eu tenho me dedicada a estudar essa ferramenta e a enteder de que maneira esta pode contribuir para o processo de tranasformação da sociedade.

Eu, não sou contra esta ferramenta, gosto, tenho apreço, só tenho recio que ela tome outro rumo.Essa e tanta outras de tamanha visibilidade, são formadoras de opinião.

DENISE disse...

Bom, tenho certeza de que a realidade da internet trouxe uma nova forma da sociedade se relacionar com os acontecimentos. A própria informação ao alcance de todos, já é uma ferramenta de mobilização e transformação. A rede já é usada para grandes mobilizações, como o movimento contra o desmatamento da amazônia, por exemplo. Também existem blogs, sites que orientam e ajudam mulheres vítimas de violência doméstica. Esses são pequenos exemplos de questões que circulam na grande rede e acabam no mínimo, sensibilizando as pessoas, além de fornecer vias de denúncia e de informação.

MADFLY disse...

Acredito que acima de qualquer outra coisa, a internet é um espaço de criatividade, liberdade e principalmente informação e transformação.

Transformação de valores, de conceitos e de visão do mundo. Com a internet oferecendo esse infinito de possibilidades, de informações. Posso estar sendo até um pouco utopica mas creio que chegará o momento em que as pessoas estarao realmente mais sensibilizadas, por tudo que esta acontecendo e ai a bandeira dos direitos humanos e da cidadania começara a fazer parte do pensamento, do cotidiano das pessoas.

Para isso no entanto, é necessario haver um incomodo para haver mudança e enquanto esse incomodo não for real, enquanto a midia exercer este poder doentio sobre as massa acho dificil haver realmente uma sensibilização das pessoas. Se nos jornais podemos ler diariamente crianças morrendo, sendo estupradas etc...e um dia depois esta informação perder totalmente a importancia a noticia é substituida quase que imediatamente por outra coisa qualquer.

COMO fazer então para os alunos, as crianças que não vivem, não absorvem experiencias e conceitos e valores somente dentro da escola, mas em varios grupos sociais que ela faz parte, como fazer com que ela priorizem estes valores se existe uma força atuando para a banalização do sofrimento humano?

Nem sempre o excesso de informações é positivo.

Lógico que acho de fundamental importancia trabalhar esta tematica em sala de aula, mas como a pergunta mesmo levanta "Como vivenciar DE FATO, uma relação que priorize estes valores?"

Temos que levantar estas e outras questões tendo sempre em mente um postura de realidade e não de receita pronta. Para que os nossos alunos realmente entendam e vivenciem o que queremos compartilhar com eles, temos que Nós enquanto educadores ter também em nossas vidas, em nosso cotidiano, a ampla noção do que significa A Declaração dos Direitos Humanos, o que representou e o que representa de fato para nós como cidadões, como educadores e acima de tudo como seres humanos.

Andréa C. disse...

A internet é um espaço de mobilização social e que certamente também da apoio aos direitos humanos. Quanto a ser um espaço democrático, basta olharmos a variedade dos tipos de comunidades e seus diversos assuntos para nos certificarmos que a internet é um espaço verdadeiramente público, não havendo restrições, nem preconceitos.
Na educação me pergunto se as escolas realmente estão estruturadas/dispostas a tornar o espaço escolar democrático. A Hierarquia ainda é muito presente nesse ambiente, direção, professorado e alunos estão envoltos por regras e costumes que não são faceis de modificar. Eu sinceramente não acredito que o governo, as direções de escolas, professores e seus alunos queiram "tornar público o dia a dia de uma escola". Eles não estão preparados para terem suas relações de poder questionas e nem tencionadas.

Regina de Deus disse...

É sabida por todos(quase), a importância da atuação dos direitos humanos na nossa sociedade.
Até hoje, não consegui escrever nada sobre o assunto, ficava pensando e repenssando e nada.
Hoje, entendi o porquê.
Lembro das crianças fora das escolas, largadas nas ruas cheirando cola, lembro das que são exploradas no trabalho infantil, das que sofrem violência sexual, física e moral.
Também lembro das cadeias superlotadas, algumas vezes por pessoas que cometeram pequenos delitos, assim como o caso da moça que furtou um pote de margarina em um supermercado e que por isso ficou vários meses presa, só foi solta quando o caso dela foi parar na tv.
Mas os colarinhos brancos, que roubam nosso dinheiro e transportam em malas,cuecas,etc, são soltos no dia seguinte e ainda soltam fogos.
Vejo quantas Isabelas e quantas Eloás existem, mas seus nomes não são falados pela mídia, principalemente se forem negras e morarem em favelas.
Por isso e muito mais, não consigo escrever sobre os direitos humanos, mesmo sabendo da sua grande importância. Lamento!!!!!!!!!

Socciaray Oliveira disse...

A discussão sobre direitos humanos dentro da instituição escolar deveria ser bem enfatizada. O professor deveria discutir mais sobre esta temática com seus alunos, mostrando-os que eles são sujeitos de direitos e devem ser respeitados para além da sua condição de aluno.
E a internet neste contexto é uma grande aliada seja pela liberdade de expressão, seja pela sua velocidade de comunicação.

luanda disse...

Com certeza a internet é um espaço democrático, mobiliza sim as pessoas e pode ser uma grande aliada a escola, pois a capacidade e liberdade de espressão q a internet dá com certeza ela engloba todos os direitos de um cidadão, se for bem utilizada.

Jenifer Lopes disse...

Concordo com a Regina qdo ela diz que falar de Direitos Humanos é lembrar de todas essas ocorrências em que estes são cotidianamente, continuamente, crassamente NEGADOS!!! Mas não podemos nos calar. Aliás não devemos, pois caso contrário, muitas Eloás ainda existirão. E se acontecem casos parecidos e que simplesmente se tornam desconhecidos do público, por serem moradores de favela, pobres e negros, é porque a ciência de seus próprios direitos lhe foram negados. Não raro encontro no meu dia-a-dia, em pleno século XXI, pessoas que pela total ignorância de seus direitos, deixam de exigi-los. Acredito também que isso se deva ao fato de que, como a própria Camila nos falou: somos o tempo todo "silenciados". A mesma Democracia que pelas leis nos "libertam" e nos dá o direito da voz, nos cala. Exemplo vívido disto é o fato de que as Eleições são democráticas, o voto é livre, porém é obrigatório. Que Democracia é esta? Por outro lado, compreendo que nos calarmos diante de fatos tão revoltantes é assumirmos um papel de expectadores da nossa própria realidade. Temos sim que utilizar o espaço que tivermos, seja na internet, televisão, jornais, de boca em boca que seja e principalmente, na sala de aula para aqueles que serão os futuros sujeitos da nossa sociedade,para protestarmos mais e mais, e não só propagarmos e lutarmos pelos nossos direitos, mas, também pelos direitos daqueles que o tiveram negado.